Como aprender a programar: Do Zero ao Avançado

Se você deseja saber como aprender a programar para desenvolver softwares, primeiro você precisa de um guia de estudos. Ele servirá como uma espécie de roteiro para o seu aprendizado, além de manter organizado o que você necessita estudar.

Com as dicas listadas neste artigo, você poderá montar esse guia e, sobretudo, descobrir como desenvolver suas capacidades por conta própria. O objetivo é propiciar caminhos para que você consiga ir do zero a um nível avançado. No entanto, isso demandará disciplina, dedicação e proatividade de sua parte.

Dito isso, é interessante ver algumas informações ligadas à área de programação antes de passarmos às dicas. Para começar, segundo o portal Statista, especializado em dados de consumidores e do mercado, havia 23,9 milhões de desenvolvedores de software no planeta, em 2019. 

A expectativa é que esse número cresça para 28,7 milhões, em 2024. Uma expansão de quase 4,8 milhões. Isso indica que o mercado está crescendo. Aliás, a área tecnológica também aumentou no Brasil, como veremos adiante.

Agora, vamos às dicas para você entender como aprender a programar!

O que é programação?

Programação envolve empregar instruções lógicas para escrever a linguagem que o computador entenderá para desenvolver um software. Esse processo também envolve o teste, a manutenção e a execução de outras ações pelo programa em produção.

A partir dessa base de sequências lógicas, pelas quais o programador — profissional que executa essa função de desenvolver o software — transmite o que deseja que o programa faça, pode-se desenvolver programas que:

  • controlam equipamentos;
  • automatizam atividades;
  • ajudam em operações virtuais;
  • comunicam-se com outros programas e máquinas;
  • desenvolvem outros softwares;
  • são usados para atividades empresariais ou pessoais;
  • facilitam a gestão de outros programas etc.

Existem softwares que fornecem apoio para profissionais de tecnologia, inclusive programadores, o que pode ser útil para quem é iniciante. Outra informação importante é que a linguagem usada para programar esses softwares não é única, ou seja, há vários tipos.

Nesse caso, é possível trabalhar com programas feitos com uma variedade dessas linguagens. Ou seja, as partes de um mesmo software podem ter sido desenvolvidas com linguagens de programação diferentes.

Além dos programas de computador, aplicativos para smartphones, redes sociais e games são produzidos com o uso de programação aliada a outras atividades. O mesmo vale para sites e plataformas online.

Aliás, mesmo aquelas ferramentas digitais que facilitam a criação de outros programas contam com linhas de códigos feitas por programadores. Elas apenas automatizam e facilitam o desenvolvimento de outras aplicações.

Em resumo, quem quer saber como aprender a programar terá também de aprender sobre lógica, bem como buscar uma lista de programas úteis para programadores. Aliás, falamos mais sobre lógica e mencionamos alguns software adiante. Continue lendo!

Como aprender a programar sozinho? Isso é possível?

De maneira direta, sim, é possível. Porém, o percurso tende a ser longo, especialmente para quem é iniciante e não tem nenhum conhecimento sobre programação. Mas isso não significa que seja impossível de percorrê-lo, pelo contrário! Afinal, sua dedicação em estudar e absorver os conhecimentos da área que irá realmente definir a intensidade — e o tempo de evolução — da sua jornada de aprendizado.

Tendo motivação e vontade de aprender programação, basta começar a pesquisar sobre os seus fundamentos. Também é importante contar com equipamentos para você estudar, como um notebook ou computador pessoal.

Já existem aplicativos para smartphone que ensinam a programar e você ainda poderá usar um tablet para estudar. Todavia, contar com um teclado maior e uma máquina com bom poder de processamento para você desenvolver seus códigos de programação pode facilitar o seu aprendizado.

Para aulas online, ebooks sobre o tema e outros materiais informativos, qualquer um desses dispositivos é útil. Sabendo disso, confira agora quais recursos e meios podem ajudar você a descobrir como aprender a programar e, de fato, entender programação.

Conteúdos gratuitos

Busque conteúdos gratuitos na Internet que tratam sobre como aprender a programar e sobre o conteúdo que você precisará estudar. Hoje em dia, existem milhões de páginas sobre programação na web, que podem ser acessadas a qualquer hora.

Para tanto, basta conexão com a Internet, vontade de aprender e se profissionalizar, além de um tempo para ler o material encontrado nelas. De qualquer forma, veja uma lista de possibilidades que você pode consultar gratuitamente para aprender a produzir suas linhas de códigos:

  • sites;
  • tutoriais  (adiante, no fim desta lista, veja alguns exemplos de plataformas que oferecem esse tipo de conteúdo);
  • vídeos diversos;
  • videoaulas (adiante, no fim desta lista, veja alguns exemplos de plataformas que oferecem esse tipo de conteúdo);
  • blogs;
  • artigos;
  • ebooks;
  • programas com simulações de programação;
  • fóruns de programadores (adiante, veremos alguns exemplos de plataformas que contam com fóruns);
  • canais de YouTube (Filipe Deschamps, Código Fonte TV, Curso em Vídeo)  e de outras mídias semelhantes que tratam do tema;
  • páginas e comunidades do Facebook e de outras redes sociais;
  • comunidades de serviços focados nesse tipo de organização;
  • podcasts — no Spotify, há uma vasta playlist para você escolher e começar a aprender; 
  • webinars;
  • meetups;
  • boletins informativos enviados periodicamente sobre algum tema (newsletters). Nesse caso, você precisa encontrar alguns e inscrever seu e-mail neles, para passar a receber esse conteúdo;
  • jornais e revistas;
  • infográficos;
  • videoconferências com profissionais da área (nos fóruns e comunidades você poderá conseguir o contato deles);
  • eventos online de TI etc.

Existem plataformas que oferecem vários desses meios de aprendizado em um só local. Por exemplo, a Digital Innovation One (DIO). Nela, você consegue acessar cursos e participar de bootcamps (campos de treinamentos), isto é, treinos imersivos e intensivos. 

Além disso, você terá desafios de programação e praticará com algumas das principais tecnologias do mercado. Inclusive, poderá ser indicado para trabalhos em empresas que buscam programadores e, assim, conseguir um emprego na área!

Outras plataformas que oferecem cursos de tecnologia não só para iniciantes, como para profissionais com conhecimento intermediário e avançado são a Udemy, a Alura e a Domestika. 

Nelas, você verá vários profissionais e instituições ofertando os cursos, de modo que poderá escolher aqueles que mais lhe agradarem conforme preço, duração, conteúdo curricular, etc. 

Se você domina o inglês ou tem conhecimentos suficientes desse idioma para acompanhar aulas, algumas universidades renomadas dos EUA oferecem cursos gratuitos na área de programação no portal Coursera. Por exemplo, a Universidade de Stanford e a Universidade Harvard

No Youtube, você verá vídeos com conceitos de programação também oferecidos por essas universidades, como no canal da Stanford. Nesse caso, você poderá ativar legendas. 

Comunidades de troca de conhecimentos

Existem alguns serviços, portais e comunidades de programadores em que você pode aprender programação ao desenvolver seus próprios códigos e praticar com eles. Além da DIO, citada anteriormente, um dos principais e mais famosos é o GitHub. 

Porém, diferentemente da DIO, o GitHub é uma plataforma de desenvolvimento e hospedagem de códigos-fonte e softwares. Especificamente, cada projeto que tenha um código-fonte é tido como um repositório.

Com 56 milhões de desenvolvedores e 3 milhões de organizações, o GitHub permite uma intensa colaboração entre profissionais de vários níveis. Dessa forma, a plataforma possibilita aprender programação e ampliar seu conhecimento enquanto você ajuda e é ajudado por outros desenvolvedores.

Além disso, ela tem um laboratório de aprendizagem. Nele, é possível aprimorar habilidades com projetos, ao mesmo tempo em que você recebe feedback de um bot.

Outro exemplo é o GitLab. Ele permite que desenvolvedores armazenem seus códigos nos próprios servidores, em vez de terceiros. 

Se você quer manter privados seus códigos enquanto aprende a operá-los, pode ser uma boa opção. O GitLab também conta com um fórum e uma comunidade ativa, o que pode ser bom para tirar dúvidas e aprender mais com quem já é da área.

A Impulso Network também é uma rede aberta direcionada a profissionais de TI. Ela integra diversas iniciativas, comunidades, serviços e produtos para o desenvolvimento de seus integrantes e a colaboração mútua.

Cursos online

Os cursos online merecem um tópico à parte, pois são a principal porta de entrada para o mundo da programação. Hoje em dia, você consegue encontrar uma grande variedade deles na Internet, e muitos são gratuitos. 

Normalmente, esses cursos são introdutórios, ou seja, podem ser úteis no começo. Depois, é provável que você tenha de pesquisar mais para encontrar cursos avançados sobre programação. 

Nesse caso, a dica é ir juntando um dinheiro enquanto acompanha o curso mais básico e outros materiais da lista apresentada no tópico anterior.

Em seguida, você poderá adquirir cursos intermediários e avançados para aprimorar ainda mais o seu conhecimento de programação.

Livros de programação

Os livros têm uma vantagem: eles costumam apresentar maior aprofundamento do que artigos da Internet. Com uma leitura constante, você poderá adquirir conhecimentos avançados sobre o desenvolvimento de códigos-fontes e sobre linguagens de programação em geral.

A dica é começar por aquelas obras introdutórias, que ensinam justamente sobre como aprender a programar e por quais temas começar. Elas trazem um panorama da área de programação e apresentam os conceitos básicos. Para ajudar, selecionamos algumas obras que costumam figurar em listas sobre o tema:

  • Código Limpo: Habilidades Práticas do Agile Software (Robert C. Martin);
  • Use a Cabeça! Padrões de Projetos (Eric Freeman e Elisabeth Freeman);
  • Como Ser Um Programador Melhor (Pete Goodlife);
  • Algoritmos: Teoria e Prática (Thomas H. Cormen);
  • Algoritmos e Estruturas de Dados (Guimarães/Lages).

Como aprender a programar começando do zero?

Para iniciar seu estudo no desenvolvimento de códigos, primeiro é preciso ter noção de certos termos usados na área. A seguir, confira algumas palavras e conceitos com os quais você vai se deparar ao adentrar o mundo da programação. 

Lógica de programação

Também chamada de programação lógica, esse conceito consiste em um paradigma da área que utiliza lógica matemática. Por meio desse conceito, é possível montar sequências de ações que serão reproduzidas pelo computador para alcançar um propósito.

Para tanto, é preciso empregar dispositivos lógicos, como estruturas de controle de fluxo. Essas se dividem em dois tipos: de repetição (for/while) e condicionais (if/else). As estruturas do primeiro grupo executam trechos de códigos várias vezes, tendo por base o resultado da avaliação de uma condição anteriormente definida.

Por outro lado, utilizam-se as estruturas condicionais para analisar uma condição e, conforme o resultado, realizar uma rotina determinada. É importante entender esses conceitos e se familiarizar com eles.

Entender o conceito de lógica da programação é fundamental, pois é a base do conhecimento da área. Isso porque com a lógica é que você aprenderá a escrever os códigos com os quais se comunicará com a máquina. Essa, por sua vez, interpretará as linhas e executará o que você planejou.

Se ainda estiver em dúvida, podemos resumir a lógica da programação do seguinte modo: é a forma como se escrevem softwares, que se estabelece por meio de uma sequência de passos para realizar uma ou mais funções. Vale destacar que essa sequência corresponde a um algoritmo.

Linguagens de programação

Uma linguagem de programação é como uma língua humana, porém entendida por softwares e pelo computador. Basicamente, consiste em um método padronizado, com regras semânticas e sintáticas, para implementação de um código fonte.

É possível empregar esse código como script interpretado, o qual informará instruções de processamento à máquina. O código também pode ser compilado e transformado em um software.

Para conseguir programar, você precisará aprender pelo menos uma linguagem de programação — existem várias delas. Dependendo do que você deseja, algumas serão mais importantes do que as outras e, no futuro, podem surgir novas. 

Adiante, falaremos mais sobre linguagens de programação e apresentaremos alguns exemplos.

Paradigmas de programação

Como aprender a programar sem entender paradigma de programação? A resposta: é bem difícil. Isso porque o paradigma de programação é o modo de classificar linguagens de programação, conforme suas funcionalidades. É muito importante saber diferenciar os paradigmas de programação para atingir um nível elevado como programador.

Portanto, ele varia conforme a metodologia usada, o modelo escolhido e o estilo da linguagem. A mecânica também interfere. Resumidamente, podemos dizer que é a estruturação usada pela linguagem.

Um paradigma de programação dá a base de recursos que o programador usará para estruturar e executar um software. Consequentemente, acaba por orientar a visão dele sobre o trabalho.

Apesar de estar relacionado à linguagem, vale destacar que um paradigma não é o mesmo que uma linguagem de programação. O que o diferencia é que o paradigma é a forma como se resolve certos problemas, isto é, a forma como a linguagem de programação faz isso. 

Aliás, isso é uma das características que diferenciam as linguagens existentes, pois seguem regras distintas umas das outras. A seguir, separamos uma lista de alguns paradigmas de programação existentes. Confira!

Lógico

Para definir seus padrões de entrada e saída, esse paradigma emprega formas de lógica simbólica. Partindo dela, ele realiza inferências para gerar os resultados esperados pelo programador.

Ao analisar uma situação com premissas verdadeiras, ele pode derivar uma conclusão verdadeira também. A título de curiosidade, esse paradigma pode ser empregado para resolver questões no desenvolvimento de softwares especialistas e em Inteligência artificial.

Funcional

O paradigma funcional é baseado em funções. Seu método de funcionamento consiste em tratar a computação como uma análise de funções matemáticas. Vale destacar que evitam-se dados ou estados mutáveis.

Dessa forma, se você tem um problema para resolver, o foco passa a ser a montagem de uma sequência de funções (que será o código) com variáveis em seu escopo. Elas retornarão resultados e, de maneira composta, resolverão o problema.

Declarativo

O paradigma declarativo foca no que precisa ser resolvido, usando declarações iniciais imutáveis de verdades lógicas. Por conta disso, o resultado de um código ou trecho de código que segue esse paradigma é igual todas as vezes.

Vale mencionar que um programa declarativo descreve o que faz, isto é, seus procedimentos. O foco está “no que” e não no “como” faz algo. Por exemplo, é possível determinar uma instrução ao banco de dados simplesmente informando o que se deseja (em linguagem de programação).

Isso sem precisar se importar com os procedimentos que o gerenciador do banco utilizará para pôr em funcionamento a instrução.

Imperativo

Diferentemente do paradigma declarativo, o imperativo dá importância ao “como” realizar procedimentos. Mas ele também se importa com “o que” fazer. Dessa forma, esse paradigma é baseado em comandos e instruções, pelos quais um desenvolvedor informa o que e como o software ou uma rotina fará algum procedimento.

O paradigma imperativo também é conhecido como procedural. O desenvolvedor que usa uma linguagem desse tipo precisa preparar instruções para o computador na ordem em que elas devem ser executadas.

Orientado a objetos

O paradigma orientado a objetos possibilita uma programação multiplataforma de um mesmo modo. Nele, os objetos apresentam determinados comportamentos e estados, tal como acontece na realidade.

Os comportamentos são estipulados por intermédio de métodos (parecido com as funções do paradigma funcional), enquanto os estados são descritos pelas classes como atributos. Esses atributos também são conhecidos como campos ou variáveis. Eles correspondem às propriedades do objeto.

Por exemplo, um notebook pode ser descrito pelas suas características físicas (cor, tamanho, formato, etc.) e pelo que ele faz (executa programas, permite navegar na web, roda vídeos, etc.). No paradigma orientado a objetos, as características físicas seriam os “atributos” e as suas ações seriam os “métodos”.

Nesse paradigma, softwares são projetados por intermédio da composição de objetos que interagem com outros objetos. Muitas linguagens que seguem esse paradigma se baseiam em classes. Isso quer dizer que objetos são instâncias de classes, as quais, geralmente, estabelecem os seus tipos.

Orientado a eventos

O paradigma de orientação a eventos normalmente é empregado em sistemas que usam recursos gráficos, como os jogos. Nesse caso, a execução do software dependerá de certos eventos ocasionados pela ação do usuário.

Quando um desses eventos ocorre, ativa-se uma rotina responsável por monitorá-los. Depois, ela avisa o código específico que deve responder toda vez que o evento acontece. A resposta é uma ação pré-determinada, programada anteriormente.

Qual linguagem de programação aprender primeiro?

Como mencionado antes, existem muitas linguagens de programação. Escolher uma para aprender dependerá dos seus objetivos e de onde deseja trabalhar, pois algumas áreas e empresas de tecnologia podem dar preferência a certas linguagens. 

Todavia, em sua jornada sobre como aprender a programar você precisará entender uma boa quantidade delas para se tornar um profissional mais completo. Para ajudar nisso, fizemos uma lista com algumas das principais. Acompanhe.

HTML e CSS

Se você gosta de sites, portais, blogs, etc., talvez seja bom considerar estudar HiperText Markup Language (HTTP) e Cascading Style Sheets (CCS). O primeiro é um código de marcação usado para confeccionar websites. Mas não basta isso, pois é preciso torná-lo agradável e prático.

Para tanto, o CSS é o código de estilização que você deverá estudar, pois ele é empregado justamente para deixar um website bonito. Ele estiliza elementos de uma página, separando o conteúdo (parte estrutural escrita) da parte visual (design gráfico).

JavaScript

Muito utilizado em páginas da Internet, o JavaScript (JS) é uma das linguagens de programação mais populares para desenvolvimento web. Com ele, você consegue montar aplicações e páginas em que pode apresentar informações e fazer checagens. 

Além do mais, dá para alterar dinamicamente o visual dessas mesmas páginas, de acordo com o comportamento que você quer para ela.

É uma linguagem desenvolvida para servir ao usuário, ou seja, o seu script é baixado e processado no computador ou em outro dispositivo do visitante do site.

Python

Atualmente, é umas das linguagens de programação mais populares. É muito usada por grandes empresas, como Dropbox, Facebook, Airbnb, etc.

Dentre as características apresentadas, destaca-se o fato de ser multiparadigma. Isso porque envolve os paradigmas imperativo, funcional e orientado a objetos. Também conta com tipagem dinâmica e forte, além de ser interpretada e de script.

O Python ainda consegue unir uma ótima sintaxe com as funcionalidades de sua biblioteca padrão e conta com frameworks desenvolvidos por terceiros. De maneira geral, é uma linguagem usada para desenvolver aplicativos de desktop e Graphical User Interface (GUI), algo como “interface gráfica do utilizador”.

PHP

Se você quer trabalhar com o desenvolvimento de aplicações na parte dos servidores, então já pode selecionar essa linguagem em seus estudos. Além disso, é interessante comentar que ela é uma linguagem script open source (código aberto).

Suas aplicações conseguem produzir conteúdo dinâmico na World Wide Web. Inclusive, o Hypertext Preprocessor (PHP) pode ser embutido no HTML. Portanto, é uma alternativa flexível e rápida para quem capacitar desde um blog até grandes sites.

C

Apenas uma letra dá nome a uma linguagem de programação estruturada e imperativa, padronizada pela Organização Internacional para Padronização. 

Por conta disso, é como se ela fosse uma linguagem mais “universal” entre as existentes, tanto que grande parte das demais oferece suporte para se programar interfaces em C.

Ela é composta por um grupo de funções e já a usaram até mesmo para o desenvolvimento de sistema operacional. Simplicidade, portabilidade e modularidade são algumas de suas principais características.

Como avançar nos estudos e aprender programação adequadamente?

Agora que você já teve um panorama sobre como aprender a programar e já viu alguns dos principais conceitos de programação, voltamos às dicas para você entender mais sobre eles. Basta continuar a leitura!

Especialização e trabalho

Se você pretende aprender programação e se aprofundar nela, então é importante se especializar em alguma área desse campo. Por exemplo, em desenvolvimento de aplicações para celular e na produção de jogos. 

Um programador também pode atuar desenvolvendo soluções de Big Data, de Business Intelligence (BI), em Web Design, etc. São muitas as áreas!

A título de curiosidade, o mercado de tecnologia apresentou bons resultados entre 2019 e 2020, com muitos postos de trabalho. Nesse período, uma plataforma de recrutamento, a Geekhunter, identificou que suas vagas preenchidas na área dobraram, conforme aponta o portal Exame

Aliás, ano passado, já na pandemia do coronavírus, houve um aumento maior nas oportunidades em tecnologia: 310%. Isso mostra como o mercado tecnológico está aquecido, o que beneficia quem trabalha com programação. 

Afinal, o programador pode atuar não só em empresas de tecnologia, como em qualquer negócio que deseja se digitalizar, desenvolver um site, ter programas gerenciais próprios, etc.

A área de análise e desenvolvimento de sistemas tem se tornado cada vez mais presente em empresas de múltiplos setores. Isso porque os profissionais desse campo costumam trabalhar nos departamentos de Tecnologia da Informação (TI) dessas organizações.

À medida que novas tecnologias começam a ser necessárias, outras áreas ligadas à programação passam a ganhar espaço nas empresas em geral.

Aliás, uma dica extra: além de buscar conteúdo sobre como aprender a programar, veja também informações organizacionais para entender melhor o funcionamento de algumas empresas. 

Isso poderá ajudar você a compreender melhor o ambiente empresarial e como ele se relaciona com programação e tecnologia. Em especial, se pretende trabalhar nesse meio. 

Atualização constante

Como aprender a programar do zero e, mais ainda, se aperfeiçoar até um nível avançado? Uma das respostas é se atualizar constantemente para ficar atento às novidades da sua área. 

Isso é ainda mais importante em programação, pois é uma área ligada à tecnologia, a qual encabeça as inovações do mercado.

Nesse ambiente dinâmico, você precisará desenvolver uma rotina contínua de estudos e de aquisição de conhecimento em programação.

Prática diária

Como aprender a programar sem praticar? Isso será bem difícil. Portanto, nossa última dica é: pratique muito! Afinal, aprender uma nova linguagem de programação é como aprender um novo idioma. Para fixá-lo bem em sua mente, o treino constante é fundamental.

Se não souber onde praticar o que aprendeu nos estudos, aproveite para usar plataformas como os citados GitLab e GitHub. Nelas, você poderá transformar o seu conhecimento em projetos, os quais ajudarão você a aprimorar as suas habilidades e identificar pontos de melhoria.

Além do estudo, para evoluir na área de programação é preciso definir bem seus objetivos pessoais e profissionais. Por exemplo, se deseja evoluir na carreira, se pretende atuar em projetos desafiadores, se quer trabalhar ao lado de outros profissionais de tecnologia tão bons ou melhores do que você, etc.

Após isso, os passos apresentados neste guia sobre como aprender a programar serão mais úteis para você. Com eles, você poderá sair do “zero” e se tornar um excelente programador. Portanto, foco em seus estudos!

Gostou de saber como aprender a programar do zero? Veja agora dicas de como conquistar vagas de trabalho remoto e comece a se preparar para conseguir uma oportunidade em programação no futuro!

Alguns outros conteúdos que você também pode gostar:

Compartilhe:

Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no linkedin

Entrar

Qual plataforma você gostaria de acessar? 

Ainda não tem uma conta?
Clique aqui para criar uma para a sua empresa ou se você é um profissional digital clique aqui.

Registre-se

Criar uma conta é simples. Primeiro: qual dessas opções define melhor seu perfil?

Se você já possui uma conta clique aqui para fazer login de empresa e agência; ou se você é um profissional digital clique aqui.